FAQ

Esta página tem como objetivo prover de respostas algumas questões que os usuários frequentemente fazem sobre nossos produtos. Caso você ainda possua alguma dúvida sobre a utilização dos mesmos, entre em contato para que possamos ajudá-lo.

AGE 30 Rayon
1- O que é o Curatec AGE 30 Rayon?

É um curativo primário, estéril, não aderente, constituído por uma malha de acetato de celulose (Rayon), impregnada com uma formulação de origem vegetal que favorece a atividade celular.

2- O que é AGE 30 ?

É um óleo de origem vegetal que tem como principais componentes ativos os ácidos graxos essenciais (AGEs).

3- O que é Rayon?

O rayon é um tecido sintético que tem como principais características a não aderência e a abertura de tramas permitindo o livre trânsito de líquidos.

4- Curatec AGE 30 Rayon é similar a produtos contendo emulsão de petrolatum?

Não, o Curatec AGE 30 Rayon é um produto de origem vegetal enquanto o petrolatum possui origem mineral. Ambos possui características não aderentes, no entanto somente o AGE 30 possui propriedades de interagir ao longo dos vários estágios de cicatrização de feridas.

5- Curatec AGE 30 Rayon é similar ao Sommacare Plus ?

Não, o Curatec AGE 30 Rayon é um produto destinado exclusivamente para tratamento de feridas, tendo uma formulação diferenciada, além de ser estéril. Sommacare Plus é um óleo a base de ácidos graxos essenciais, não estéril, destinado principalmente à hidratação da pele, massagens de conforto e fortalecimento da pele para prevenção de feridas.

6- Qual é a ação do Curatec AGE 30 Rayon no processo cicatricial?

Inúmeros trabalhos comprovam que o AGE atua de forma positiva no processo cicatricial, tanto por sua ação bacterícida como por sua interferência em diversas fases do processo atuando no aumento da permeabilidade da membrana celular, facilitando a entrada de fatores de crescimento, estimulando a angiogênese e auxiliando na promoção da mitose e proliferação celular.(1) Além disso o óleo hidrata a ferida, mantém temperatura controlada na lesão, evita a aderência na troca do curativo e permite a troca gasosa entre a ferida e o ambiente, assegurando com essas propriedades um micro-ambiente ideal para o processo de cicatrização. (2)

7- Quais suas principais indicações?

Pode ser usado em todos os tipos de lesões, inclusive queimaduras e feridas infectadas e nos diversos estágios do processo cicatricial. Mais informações na bula da Curatec AGE 30 Rayon. (2)

8- Quais são seus benefícios?

- Pode ser usado em qualquer fase do processo cicatricial; – Auxilía no desbridamento autolítico; – Evita a aderência do curativo na ferida, diminuindo portanto a perda de tecidos neo ? formados, agilizando dessa forma o processo de cicatrização; – Diminui a dor do paciente durante as trocas do curativo; – Permite a absorção do exsudato pelo curativo secundário e o óleo é totalmente absorvido pelos tecidos facilitando a limpeza durante as trocas. (1)

9- Quais são as limitações?

Não expor a lesão que está coberta somente com Curatec AGE 30 Rayon à luz solar.

10- Curatec AGE 30 Rayon é um curativo estéril?

Sim, a compressa Curatec AGE 30 Rayon é um curativo estéril pelo processo de irradiação (radiação gama), embalada em envelopes com abertura asséptica para garantir suas caracteristicas pelo prazo de validade de 2 anos.

11- Referências Bibliográficas:

1- MANDELBAUM, Samuel Henrique, DI SANTIS, Érico Pampado and MANDELBAUM, Maria Helena Sant Ana. Cicatrization: current concepts and auxiliary resources – Part II. An. Bras. Dermatol., Sept./Oct. 2003, vol.78, no.5, p.521-522. ISSN 0365-0596.

2- IRION, Glenn L. – Feridas: Novas Abordagens, Manejo Clínico e Atlas em cores. Editora LAB, 2005.

Compressa com Emulsão de Petrolatum
1 – O que é Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum?

É um curativo primário não – oclusivo, estéril, não – aderente, constituído por um tecido de malha de acetato de celulose (Rayon) impregnado com uma emulsão de petrolatum.O curativo, por ser não aderente, permite uma troca sem dor para o paciente, além de preservar o tecido de granulação recém-formado.

2 – Qual é o mecanismo de ação do curativo?

A função de Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum é evitar a aderência do curativo ao leito da ferida, permitir o fluxo do exsudato para um curativo secundário absorvente, preservar o tecido de granulação durante as trocas de curativo e minimizar a dor e os traumas durante o procedimento.

3 – Qual é a ação do Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum no processo cicatricial?

O curativo é constituído por tecido de acetato de celulose (Rayon) impregnado com emulsão de petrolatum. O tecido possui estrutura porosa (não – oclusiva) que auxilia na não aderência do curativo ao leito da ferida e facilita o fluxo do exsudato para o curativo secundário de absorção. A emulsão de petrolatum mantém o meio úmido, auxiliando e acelerando o processo cicatricial.

4 – Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum é um curativo estéril?

Sim, a compressa Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum é um curativo estéril pelo processo de irradiação gama (Cobalto 60) e embalado em envelopes hermeticamente fechados para garantir suas características pelo prazo de validade de 2 anos.

5 – Quais são as principais indicações?

Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum é indicado para feridas secas ou exsudativas que necessitem de curativo não – aderente , tais como:

  • Queimaduras de primeiro e segundo grau;
  • Úlceras venosas, arteriais e de pressão;
  • Enxertos;
  • Abrasões;
  • Lacerações;
  • Linhas de sutura;
  • Incisões cirúrgicas;
  • Eczemas;
  • Grampos;
  • Procedimento reconstrutivo.

6- Quais são os benefícios do curativo?

Características Benefícios
Não – aderente Redução de dor e traumas durante as trocas.
Tecido poroso e permeável Evita o acúmulo de exsudato no local da lesão, permitindo
que o mesmo seja absorvido pelo curativo secundário.
Pode ser cortado sem desfiar ou fragmentar Facilidade na aplicação e flexibilidade de escolha do
produto para diferentes tamanhos de lesões.
Manutenção do meio úmido A emulsão de petrolatum mantém a umidade no leito da lesão,
acelerando o processo de cicatrização.
Diminuição do custo de tratamento Redução do número de trocas do curativo e menor risco de
contaminação da ferida.

7 – Qual é o período de trocas do Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum?

  • Para feridas infectadas efetuar a troca no máximo a cada 24
    horas.
  • Para feridas exsudativas e não ? infectadas, efetuar a troca
    sempre que um profissional da saúde perceber a diminuição da
    característica não ? aderente do curativo.

8- É sempre necessário utilizar um curativo secundário sobre a o Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum?

Não, o curativo secundário deve ser aplicado sobre o Curatec® Compressa com Emulsão de Petrolatum quando houver a necessidade de conter exsudação, ocluir a lesão para evitar contaminações externas ou sempre que um profissional de saúde achar necessário.

Referências Bibliográficas:

MANDELBAUM, Samuel Henrique, DI SANTIS, Érico Pampado and MANDELBAUM, Maria Helena Sant Ana. Cicatrization: current concepts and auxiliary resources – Part II. An. Bras. Dermatol., Sept./Oct. 2003, vol.78, no.5, p.521-522. ISSN 0365-0596. Candido, Prof. Dr Luiz C. Feridologo ? Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Tratamento de Feridas ? Jul. 2005. IRION, Glenn L. – Feridas: Novas Abordagens, Manejo Clínico e Atlas em cores. Editora LAB, 2005

Hidrocolóide
Hidrocolóides estão entre os curativos modernos mais amplamente utilizados, no entanto nem todas suas propriedades são completamente compreendidas.

1 – O que são Curativos Hidrocolóides?

São curativos contendo agentes formadores de gel, como carboximetilcelulose sódica e pectina. Estes são combinados com elastômeros e adesivos e aplicados a carreadores ? usualmente espumas de poliuretano ou filme, para formar um curativo absorvente, auto-adesivo e que garanta o ambiente úmido propício para a cicatrização. A pectina é um polissacarídeo de estrutura complexa, extraído de espécies vegetais (principalmente cascas de frutas cítricas e polpa de maçã). Por possuir uma estrutura altamente hidrofílica liga-se com facilidade à moléculas de água formando um gel viscoso no leito da lesão. Sua similaridade química com o alginato faz com que as propriedades físicas de absorção e formação de gel sejam parecidas. O ácido 1,4 D-galacturônico (figura 1) presente na pectina é quase a imagem especular do ácido 1,4-L-gulurônico (figura 2) componente do alginato (9 e 10). Figura 1 (9)

Figura 2 (10) A carboximetilcelulose (CMC) (figura 3) é um derivado da celulose formado pela reação da celulose com álcalis (por exemplo: hidróxido de sódio, potássio, cálcio, etc…) e ácido cloroacético. A natureza do álcali combinado é que confere a característica iônica da CMC formada (quando usa hidróxido de sódio forma-se CMC sódica). A CMC dissolve-se rapidamente no exsudato da lesão formando um gel na ferida com viscosidade controlada (11).

Figura 3 (11) Tanto a pectina quanto a CMC formam um gel com pH levemente ácido (por volta de 4), conferindo ao leito da lesão propriedades bacteriostáticas. Em presença de exsudato, os hidrocolóides absorvem líquidos e formam um gel, cujas propriedades são determinadas pela natureza da formulação. Alguns curativos formam um gel coesivo, que se mantem incluso dentro da matriz; outros formam um gel mais móvel, menos viscoso e que não fica retido na estrutura do curativo. Quando intacto, a maioria dos hidrocolóides são impermeáveis aos vapores de água, mas quando inicia-se o processo de geleificação, o curativo torna-se progressivamente mais permeável. A perda de água através do curativo otimiza a capacidade de absorção (1). Uma característica dos hidrocolóides apreciada pelos clínicos é a adesão a leitos úmidos, diferente da maioria dos curativos, estes podem aderir em uma lesão úmida tão bem quanto em uma seca.

2 – Quais são as principais indicações dos Hidrocolóides?

Hidrocolóides são fáceis de usar, requerem trocas a cada 3-7 dias, e não causam traumas durante sua remoção. Isso faz com que sejam indicados em prevenção de úlceras por pressão, feridas limpas, com granulação, superficiais e com baixa a média exsudação. Hidrocolóides fornecem um efeito oclusivo, e em feridas secas, podem ter um efeito hidratante, que favorece o amolecimento, e tem sido usado para prevenir a difusão de MRSA (cepas multiresistente de Staphylococcus aureus ), pela formação de uma barreira oclusiva fisica (2).

3 – Existem efeitos colaterais dos curativos hidrocolóides?

Os hidrocolóides vem sendo usados por mais de 20 anos, e raramente são associados com dermatites de contato (3).

4 – Como pode ser medida a capacidade de absorção do Hidrocolóide?

Existem três conceitos a serem considerados quando falamos sobre capacidade de absorção de um curativo, o MVTR, a absorção e o ?fluid handling?. O MVTR (Moist Vapour Transmission Rate) é a permeabilidade do curativo à passagem de moléculas de água da superfície de contato da pele para a atmosfera externa, sob condições controladas de umidade e temperatura. A absorção é a quantidade de líquido (exsudato) que um curativo é capaz de absorver. O ?fluid handling? é dado pela soma do MVTR e da absorção. Abaixo, tabela comparando o ?fluid handling? de diversas marcas de hidrocolóides (1) e (4).

Tabela 1 – ?Fluid handling? após 24 horas:

Curativo FH( g/m² /24h)
Tegasorb Thin 3.47
Tegasorb 5,01
Cutinova Hydro 3,21
Askina Biofilm Transparent 0,51
Askina Transorbent 4,16
Comfeel Plus Plaques Biseautees 2,86
Comfeel Plus Transparenter 4,63
Comfeel Plus Flexibler (sample 1) 3,76
Comfeel Plus Flexibler (sample 2) 4,10
Curatec Hidrocolóide 5,93
Varihesive E 1,97
Granuflex 1,78
Hydrocoll 6,12
Algoplaque 1,54

5 -Qual a Função do Hidrocolóide em escaras Hipertróficas e Quelóides?

Um estudo prospectivo comparou a oclusividade do hidrocolóide com placas de silicone. O tamanho, volume e cor da escara, assim como os sintomas dos pacientes e a oxigenação transcutânea foram medidos. O estudo encontrou significativa redução de coceira, reduzindo a dor e aumentando a maleabilidade em ambos os tratamentos, usados por 2 meses (5).

6 – Curativos de Hidrocolóide reduzem a dor?

A dor é uma característica de feridas superficiais, como os sítios doadores de enxertos, que se apresentam particularmente dolorosos durante as trocas de curativos. Um estudo comparando gaze impregnada com parafina e o hidrocolóide aplicados a área doadoras de enxertos mostrou que o hidrocolóide apresenta maior redução da dor quando comparado à parafina, assim como favorece a cura mais rápida da lesão. Outro estudo, que envolveu pacientes com lacerações, abrasões e pequenas incisões cirúrgicas, comparou o hidrocolóide com outro curativo não aderente. Enquanto o tempo de cura foi similar em ambos os grupos, pacientes usando hidrocolóide apresentaram menos dor, necessitaram menor analgesia e se mostraram aptos a voltar às suas atividades diárias normais, inclusive tomar banho sem afetar o curativo ou a ferida (6, 7 e 8).

7 – Existem diferenças entre as marcas de Hidrocolóide?

Existem muitas diferenças na estrutura, flexibilidade, dimensão, propriedades de absorção e em outros parâmetros de performance. Poucos estudos comparam diferentes marcas. Devido à carência de estudos in vitro e in vivo, os produtores de hidrocolóide se baseiam em comparações indiretas entre hidrocolóides e gazes com parafina. Uma ou duas comparações de ?safisfação dos pacientes? foram publicadas, mas nenhuma com valor clínico, apenas como ?exercício de marketing?.

8 - Referências:

  1. Thomas S., Loveless, P. A comparative study of the properties of twelve hydrocolloid dressings. World Wide Wounds, July 1997.
  2. Thomas S., Hydrocolloids Journal of Wound Care 1992:1;2.27-30.
  3. Sasseville D, Tennstedt D, Lachapelle JM: Allergic contact dermatitis from hydrocolloid dressing. Am J Contact Dermat 1997 Dec; 8(4):236-238.
  4. Thomas S., Fear M., Humphreys J., Disley L., Waring MJ. Tje effect of dressing on the production of exudate from venous leg ulcers. WOUNDS 1996;8 (5):145-150.
  5. Phillips TJ, Gerstein AD, Lordan V, A randomized controlled trial of hydrocolloid dressing in the treatment of hypertrophic scars and keloids. Dermatol Surg 1996 Sep;22(9): 775-778.
  6. Cadier MA, Clarke JA Dermasorb versus Jelonet in patients with burns skin graft donor sites. J Burn Care Rehabil 1996 May; 17(3):245-251
  7. Heffernan A, Martin AJ. A comparison of a modified form of Granuflex (Granulex Extra Thin) and a convencional dressing in the management of lacerations, abrasions and minor operation wounds in an accident and emergency department. J Accid Emerg Med 1994 Dec;11(4):227:230.
  8. Nemeth AJ, Eaglstein WH, Taylor JR, et al. Faster healing and less pain in skin biopsy sites treated with an occlusive dressing. Archives of Dermatology, Vol 127, November 1991, pp 1679-1683.
  9. www.lsbu.ac.uk/water/hypec.html
  10. www.lsbu.ac.uk/water/hyalg.html
  11. www.lsbu.ac.uk/water/hycmc.html
  12. www.lsbu.ac.uk/water/hygel.html
  13. Lancet 1996; 347: 921- 25 -A new variant of Creutzfeldt-Jakob disease in the UK – R G Will, J W Ironside, M Zeidler, S N Cousens, K Estibeiro, A Alperovitch, S Poser, M Pocchiari, A Hofman, P G Smith
  14. www.cjd.ed.ac.uk/

Bota de Unna
1 – O que é Bota de Unna CURATEC®?

Bota de Unna CURATEC® é um curativo que consiste em uma bandagem de tecido impregnada com uma pasta à base de Óxido de Zinco (pasta de Unna). O tecido utilizado na sua constituição tem a capacidade de se moldar aos contornos da perna do paciente, o que facilita sua aplicação e aumenta a efetividade do tratamento.

2 – Para que é indicada Bota de Unna CURATEC®?

Bota de Unna CURATEC® é indicada para o tratamento domiciliar ou ambulatorial de úlceras venosas e de edemas linfáticos.

3 – Quais são as contra-indicações da Bota de Unna CURATEC®?

Bota de Unna CURATEC® não deve ser usada em úlceras arterias ou mistas, nem em indivíduos com sensibilidade conhecida ao produto ou aos seus componentes. Não recomendamos o uso em pacientes idosos com diabetes mellitus, pois há o risco de diminuição da circulação sanguínea no membro acometido.

4 – O que é uma úlcera venosa?

São feridas com perda parcial ou total da pele determinadas por uma deficiência da drenagem venosa dos membros inferiores. As úlceras venosas estão associados à doença dos sistemas venosos profundo. Quando o sangue tem dificuldade de sair da região mais inferior dos membros, cria-se uma pressão muita elevada dentro das vênulas, que de maneira retrógrada, acaba dificultando as trocas de nutrientes pelos capilares arteriais, tornando a pele edemaciada (inchada) e pouco oxigenada, pouco capaz de romover a cicatrização após ocorrer pequenos traumas locais.

5 – O que a úlcera venosa provoca?

A úlcera torna o seu portador incapaz de realizar suas atividade diárias, pois são muito dolorosas e secretantes, em geral com mal cheiro, criando segregação social de seu portador, que se retrai do convívio com seus familiares e amigos.

6 – A úlcera venosa cicatriza?

A cicatrização esta relacionada ao tratamento da doença de base e com os cuidados locais. O tratamento da doença está focado na diminuição da pressão nos vasos venosos. Para que essa diminuição ocorra de forma significativa, foram desenvolvidos curativos que comprimem as veias superficiais, diminuindo o refluxo que existe nas mesmas quando as válvulas que direcionam o fluxo de sangue venoso estão com suas estruturas alteradas. O tempo de cicatrização poderá ser longo se o tratamento não for adequado, ou quando a lesão ocorre em região de cicatriz de úlceras anteriores. A úlcera venosa é em geral reincidente quando a função das veias não pode ser corrigida.

7 – Do que é composta a pasta de Unna?

Óxido de zinco, goma acácia, petrolatum, glicerina, óleo de castor e água.

8 – Bota de Unna CURATEC® contém gelatina?

Não. Bota de Unna CURATEC® contém como espessante um derivado vegetal (goma acácia).

9 – Bota de Unna CURATEC® contém preservantes?

Sim. Bota de Unna CURATEC® contém preservantes que garantem a integridade microbiológica do produto e um anti-oxidante biocompatível, que protege o produto da oxidação.

10 – A Bota de Unna CURATEC® endurece?

Não, a Bota de Unna CURATEC® permanece flexível durante todo o período de uso do curativo. A ausência da gelatina lhe confere esta característica.

11 – Como é aplicada a Bota de Unna CURATEC®?

Usualmente este curativo é aplicado por profissional qualificado, médico ou enfermeiro estomaterapeuta, pois a correta aplicação do curativo é de fundamental importância para o sucesso do tratamento. A bota deve ser enrolada partindo do pé até o joelho, realizando uma compressão suave, em forma de ?8? e de forma a garantir o retorno venoso sem que haja estrangulamento do membro. Uma camada de bandagem deve ser sobreposta à aproximadamente 50% da camada inferior, e o enrolamento não deve deixar aberturas ou enrugamentos no tecido.

12 – Quanto tempo um paciente pode permanecer com a bota?

A bandagem pode ser mantida por até 07 dias, a menos que haja desconforto, vazamento de exsudato, sinais clínicos de infecção, dormência e latejamento dos dedos ou em caso de quaisquer outras irritações locais.

13 - Qual é o conceito terapêutico envolvido no uso da Bota de Unna CURATEC® para o tratamento das úlceras venosas?

Além da compressão que combate a hipertensão venosa, a Bota de Unna CURATEC® foi desenvolvida para a manutenção do meio úmido ideal para a cicatrização. Além disso, seu principal componente, o óxido de zinco, tem importante papel na reparação tecidual.

14 – A Bota de Unna é um curativo recente?

Não. A Bota de Unna foi desenvolvida por um dermatologista francês, Paul Unna, no final do século XIX, e é até hoje a melhor escolha para cicatrizar úlceras venosas, pois trata a sua causa: a hipertensão venosa.

15 – É necessário colocar algum tipo de cobertura sobre a Bota de Unna CURATEC®?

Uma bandagem elástica ou de crepe pode ser usada como cobertura e como auxiliar na compressão. Deve-se manter a pressão uniforme e cubrir a Bota de Unna CURATEC® completamente.

16 – Curatec bota de unna pode causar alergia ?

Estudos publicados na literatura internacional relatam que é comum a ocorrência de alergia em pacientes com úlceras de perna à algum tipo de tratamento tópico. O uso de antibióticos tópicos, ou outros produtos, inclusive medicações também podem causar alergia. Um estudo feito no Brasil, com outra marca conhecida de bota de unna, pelo Hospital Santa Marcelina, mostrou incidência na ordem de 4% de reações alérgicas num universo de 255 pacientes tratados. Das principais substâncias apontadas com potencial alergênico a única relacionada a Curatec Bota de Unna Elástica são os parabenos, que causam baixa incidência de alergia em pacientes sensíveis a este composto. Os parabenos são amplamente utilizados como conservante em medicamentos, alimentos e produtos cosméticos.

17 – O uso de bota de unna pode causar regressão da ferida ?

A evolução de uma ferida não está somente relacionada com o tipo de curativo utilizado para tratamento da mesma. Uma visão holística deve ser considerada. Dessa forma fatores como: repouso, alimentação, presença de outras patologias, mobilidade, local da lesão, sexo, idade, infecção, tempo de existência da ferida, entre outros, devem fazer parte da avaliação de evolução de uma ferida. Portanto, mesmo que a ferida seja tratada com curativos de última geração a mesma pode regredir devido a outros fatores. Caso observe regressão na ferida após o uso de um curativo procure orientação de um profissional de saúde.

18 – Quais são os pontos mais importantes para aplicação de bota de unna ?

- Pressão de compressão: é fundamental que a pressão de compressão não seja elevada demais, pois pressões elevadas causam desconforto ao paciente, podem provocar falta de oxigenação dos tecidos levando a necrose além de causar regressão no tratamento. O uso continuado de bota de unna aplicada incorretamente pode causar sérias complicações ao portador da ferida. No caso de pouca pressão durante a aplicação a bota ficará frouxa, tendendo a cair. A falta de pressão neste caso implicará em não efetividade do curativo, já que o mecanismo de ação da bota de unna consiste em comprimir os músculos da panturrilha para melhorar o retorno venoso. Atenção: A aplicação de bota de unna deve ser feito por profissionais de saúde médicos ou enfermeiros. - Limpeza: É fundamental que o local de aplicação do produto ofereça boas condições de higiene, pois uma das vantagens do uso de bota de unna é a prevenção de ocorrência de infecção na ferida. Atenção: Feridas infectadas não cicatrizam enquanto não erradicada a infecção. - Presença de edema: o profissional responsável pela aplicação do produto deve ater-se ao nível de edema do membro onde será aplicado o curativo. Muitas vezes a oscilação da pressão de aplicação pode estar relacionada a este fator. - Presença de pregas: durante a aplicação do produto não deve ocorrer a formação de pregas. O tecido da bota foi desenvolvido para permitir otimização da moldabilidade ao membro do paciente no ato da aplicação. A formação de pregas pode prejudicar a performance do curativo.

19 – A quantidade de pasta impregnada é uniforme ao longo da bandagem ?

No início de cada bandagem há um pequeno excesso de pasta proveniente do processo de fabricação. No entanto ao longo de toda bandagem respeita-se o limite especificado nas referências farmacopéicas. Curatec bota de unna sofre rigorosos controles de qualidade, onde metro a metro da bandagem é pesado para avaliar se a quantidade de pasta está dentro das especificações. Portando a quantidade de pasta presente no produto é suficiente para assegurar a umidade necessária à promoção da cicatrização.

20 – A quantidade de pasta impregnada é ideal ?

Sim. Curatec bota de unna elástica segue padrões de referência internacional conforme monografia da Farmacopéia Britânica.

21 – Curatec bota de unna pode estar “grudada” na ferida no momento da remoção?

Caso o curativo esteja seco ele tende a aderir ao leito da ferida. Cada paciente possui um tipo diferente de pele, onde alguns podem apresentar maior capacidade de absorção da pasta ao longo do tempo de permanência do curativo na lesão. Nestes casos recomendamos a associação de curativos não aderentes sobre a lesão como: – Curatec AGE 30 rayon – Curatec Compressa com emulsão de petrolatum

22 – Em que tamanhos está disponível a Bota de Unna CURATEC®?

Bota de Unna CURATEC® está disponível em dois tamanhos (larguras): 7,6cm x 9,14m e 10,2cm x 9,14m (correspondentes respectivamente à 3 e 4 polegadas).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2005;80(1):89-90
  2. Thomaz JB: Úlcera de estase venosa: concepção etiopatogênica e terapêutica. In: ThomazJ B: Síndromes Venosas-Diagnóstico e Tratamento, 1a ed. Rio de Janeiro, Revinter, 2001.
  3. Thomaz JB. Úlcera de estase venosa dos membros inferiores, In : Thomaz JB, CDC Herdy. Fundamentos de Cirurgia Vascular e Angiologia. ed, São Paulo : Fundação BYK, 1997. p. 290-309.
  4. Anais Brasileiros de Dermatologia. vol.78 no.5 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2003. Cicatrização: conceitos atuais e recursos auxiliares- Parte II
  5. Dow G, Browne A, Sibbald RG. Infection in chronic wounds: Controversies in diagnosis and treatment. Ostomy/Wound Management 1999;45(8):23-40.
  6. Callam MJ, Harper DR, Dale JJ, Brown D, Gibson B, Prescott RJ, Ruckley CV. Lothian Forth Valley leg ulcer healing trial?part 1: elastic versus non-elastic bandaging in the treatment of chronic leg ulceration. Phlebology 1992;7:136-41.
  7. Charles H. Compression healing of ulcers. Journal of District Nursing 1991;4:6-7.
  8. Hendricks WM, Swallow RT. Management of stasis leg ulcers with Unna s boots versus elastic support stockings. J Am Acad Dermatol 1985;12: 90-8.
  9. Kikta MJ, Schuler JJ, Meyer JP, Durham JR, Eldrup-Jorgensen J, Schwarcz TH, et al. A prospective, randomized trial of Unna s boots versus hydroactive dressing in the treatment of venous stasis ulcers. J Vasc Surg 1988;7:478-83.

Alginato de Cálcio
1- O que são os curativos de alginato?

Os curativos de alginato de cálcio são oriundos das algas marinhas marrons. Possuem fórmula empírica (C6H7O6Na)n e peso molecular variando de 32000 ? 200000. A fórmula estrutural é complexa consistindo de resíduos do ácido manurônico (M) e gulurônico (G) arranjado em blocos lineares (figura 1). As proporções relativas destes ácidos variam de acordo com a espécie de alga marinha (tabela 1). As proporções relativas entre estes ácidos são importantes, pois propriedades no curativo final como reologia (comportamento da viscosidade), capacidade de formação do gel e troca iônica estão intimamente ligadas a esta composição (1)

Figura 1 (2)

Tipo de alga marinha % MM % MG + GM % GG
Laminaria hyperborea (haste) 18 24 58
Laminaria hyperborea (folha) 36 38 26
Laminaria digitata 39 32 29
Eclonia maxima 38 34 28
Macrocystis pyrifera 40 40 20
Lessonia nigrescens 43 34 23
Ascophyllum nodosum 56 18 26
Laminaria japonica 48 34 18
Durvillaea antarctica 58 26 16
Durvillaea potatorum 69 16 15

Tabela 1 (6) Os alginatos ricos em guluronato (G) formam géis fortes mas quebradiços, enquanto que aqueles ricos em manuronato (M) formam géis mais fracos contudo flexíveis. As unidades M e G podem ligar-se alternadamente (G-M-G-M-G ) ou em blocos (G-G-G-G ou M-M-M-M) (figura 2) (1).

Figura 2 (2) Curatec Alginato de cálcio foi desenvolvido com proporções ideais de guluronato e manuronato, teores balanceados de sódio e cálcio e força e diâmetro otimizados das fibras tecidas conferindo ao mesmo capacidade de absorção de 17,6 g/g e wet strengh de 2,1 N. O gel formado por Curatec alginato de cálcio é coeso não se desintegrando no momento da troca do curativo devido ao seu elevado wet strengh. Os curativos de alginato são aplicados com sucesso no tratamento de uma larga variedade de lesões exsudativas. A alta absorção desse curativo (até 20 vezes o próprio peso) deve-se à formação de um gel fortemente hidrofílico, que além de absorver a secreção das lesões, minimiza a contaminação bacteriana. As fibras de alginato restantes na ferida são biodegradáveis (1,3 e 5).

2 – Qual o mecanismo de ação do curativo de alginato?

a)Aspectos físico-químicos O mecanismo de ação dos alginatos consiste em uma reação de troca iônica entre os íons presente no curativo com os íons componentes do exsudato da ferida.Quando colocado em contato com a lesão, os íons cálcio presentes nas fibras de alginato, são trocados pelos íons sódio contidos no exsudato, permitindo desta forma, que as fibras de alginato transformem-se em um gel solúvel com propriedades reológicas definidas. (As características do gel formado estão relacionados aos teores de sódio e cálcio, bem como com a proporção entre unidades G e M formadoras da fibra). O gel formado promove um micro-ambiente úmido na lesão, ideal para cicatrização e facilita as trocas de forma que a remoção do curativo é feita sem dor e agressão ao tecido granulado (1,3 e 5).

b)Aspectos celulares Um estudo in vitro foi realizado utilizando fibroblastos humanos, para examinar o efeito do alginato de cálcio na proliferação e na mobilidade dessas células. Neste estudo, o alginato de cálcio aumentou a proliferação de fibroblastos e os íons cálcio presentes no curativo modificaram sua mobilidade. Estes resultados sugerem que o alginato de cálcio testado pode melhorar alguns aspectos celulares da cicatrização normal (11).

3 – Para que é indicado o curativo de alginato?

Os curativos de alginato são indicados para úlcera por pressão, úlceras de perna, feridas com cavidades e áreas doadoras de enxertos. Não devem ser usados para implantes cirúrgicos, queimaduras de terceiro grau e feridas secas. Mais informações na bula de Curatec Alginato de Cálcio.

4 – Como são produzidas as fibras e compressas de alginato?

(1)

5 – Existe diferença entre curativos de alginato de cálcio e de alginato de cálcio e sódio?

Sim. Como descrito na questão 2 a proporção dos íons presentes no curativo está relacionada com sua capacidade de formação de gel. Curatec alginato de cálcio possui teores de 90 % de cálcio que são trocados por íons sódio contidos no exsudato. Foi realizado um estudo para avaliar a influência dos íons cálcio na formação de gel pelo alginato. O teste foi realizado imergindo o curativo em quatro fluidos distintos (tabela 2).

Solução [Na+] mmol/L [K+] mmol/L [Ca+] mmol/L [Cl-] mmol/L
Salina 154 0 0 154
Fluido intracelular 60 25 0 49
Fluido extracelular 130 4 3 109
Citrato de sódio (agente quelante) 0,1 M - – - - – - - – - - – -

Tabela 2 (4) A formação do gel e a capacidade de absorção do curativo foi afetada pela concentração de cálcio. A ausência de cálcio no fluido não permitiu a formação do gel (o mesmo foi formado mas destabilizou-se rapidamente), enquanto que a presença de determinadas concentrações de cálcio inibiram a degradação do gel. Quando usado um agente quelante (citrato de sódio), para os íons cálcio, em apenas trinta minutos o curativo perdeu toda sua capacidade de absorção, sendo necessário sua troca. O estudo sugeriu que rápida dissolução do gel de alginato, no local da lesão, clinicamente pode causar um desequilíbrio eletrolítico (4). Curatec alginato de cálcio, além de manter o equilíbrio eletrolítico não prejudicando a cicatrização, forma um gel estável por até 7 dias contribuindo para hidratação da ferida.

6 – O alginato é um hemostático efetivo?

Sim. Um estudo realizado com 15 pacientes (6 sexo feminino, 9 sexo masculino) avaliou a propriedade do alginato de cálcio comparado com gaze cirúrgica em aeas doadoras de pele. Os curativos foram colocados em contato com a lesão por 5 minutos sendo posteriormente pesados (tabela 3).

Alginato Gaze
Número de pacientes 5 5
Quantidade absorvida de sangue (g) 2,50 +/- 0,58 4,60 +/- 0,69
Número de pacientes 10 10
Quantidade absorvida de sangue 2,06 +/- 0,40 4,19 +/- 0,53

Tabela 3 (7) A menor quantidade de sangue absorvido pelo alginato foi significativamente estatística (p< 0,005) comprovando desta forma a eficácia hemostática do curativo (7).

7 – Qual a função do curativo de alginato em áreas doadoras de enxerto?

Foi realizado um estudo comparando o uso de alginato com a gaze de parafina. Trinta pacientes foram tratados com alginato de cálcio e vinte e um com gaze de parafina. Os sítios doadores de enxerto foram monitorados por 10 dias para determinar se eles estavam completamente curados (100%) ou não. Vinte e um dos pacientes tratados com alginato de cálcio estavam completamente curados no 10º dia, enquanto apenas 7 dos que foram tratados com gaze de parafina foram 100% curados (8 e 9).

8 -Há diferença entre as marcas de curativos de alginato de cálcio?

Sim. Um estudo avaliou diferentes marcas de curativo de alginato mensurando as capacidades de absorção e dispersão do curativo quando aplicado no leito da lesão (tabela 4).

Modelo curativo Fabricante Absorção g/100 cm² Dispersão
Algisite M Smith and Nephew Medical 18,3(0,7) Não dispersível
Aquacel** Convatec 18,5(1,0) Não dispersível
Kaltostat Convatec 21,7(1,9) Não dispersível
Kaltogel Convatec 17,9(2,3) Dispersível
Comfeel Seasorb Coloplast 21,2 (2,1) Não dispersível
Curatec alginato de cálcio* LM Farma 22 ? 26,42 Não dispersível
Sorbsan Maersk Medical 16,2 (0,8) Dispersível
Sorbalgon Hartmann 19,9 (1,4) Dispersível
Tegagen 3M Healthcare 24,7 (1,9) Não dispersível
Urgosorb*** Urgo 26,6 (3,0) Não dispersível

Tabela 4 (3) * Dados arquivos do fabricante ** Fibra carboximetilcelulose ***Liga carboximetilcelulose mais alginato

9 – O alginato causa dor no momento da remoção?

Foi realizado um estudo comparando alginato de cálcio com gaze tradicional (umedecida com solução salina), para o fechamento de cavidade exsudativa. Após incisão e drenagem. 16 pacientes receberam alginato de cálcio e 18 receberam gaze. Na primeira troca de curativo o paciente marcou em uma escala linear analógica a experiência de dor. Ambas as compressas foram removidas facilmente e o alginato de cálcio foi significativamente menos doloroso na remoção pós operatória (10).

10 – Quais são as especificações para definição de curativos de alginato de cálcio?

A especificação de curativos Alginato de Cálcio estão embasadas na Farmacopéia Britânica de 1993 a qual classifica este tipo de curativo quanto: a) capacidade de absorção De acordo com a metodologia descrita pela farmacopéia os alginatos que absorvem menos que 12g / 100cm2 são classificados como de baixa absorção e aqueles que absorvem 12g / 100cm2 ou mais são considerados de alta absorção. Portanto a expressão ?de altíssima absorção? citada no edital não é uma classificação usual citada em literaturas oficiais. b) tipo de fibra A farmacopéia define fibra de alginato como ?alginate fibre is manufactured from the mixed calcium-sodium salt of Alginic Acid. The fibre is used in the production of dressings that interact with wound exudate to form a gel. Two types of fibre are avaible?. Os referidos tipos são classificados como tipo I , forma gel e tipo II, não forma gel, quando tratado com solução de cloreto de cálcio e cloreto de sódio em parâmetros definidos pela Farmacopéia Britânica. c) características de dispersão Os alginatos, quando tratados com solução de cloreto de cálcio e cloreto de sódio podem ter as estruturas da fibra rompidas, indicando que o produto é dispersível, ou, a fibra pode manter sua estrutura original não se desintegrando sendo portanto classificada como não dispersível. Portanto podemos classificar os alginatos de acordo com a tabela abaixo:

Categoria Tipo de fibra do alginato Características de dispersão Absorção
A I Dispersa Alta
B I Não-dispersa Baixa
C II Não-dispersa Alta

Tabela 5 (12) Curatec Alginato de cálcio é um curativo de alta absorção, fibra tipo I e que não sofre dispersão (perda de integridade) quando absorve o exsudato da ferida (12).

11- Referências bibliográficas

  1. Morgan, David , Alginate Dressings, Journal of Tissue Viability 1996 Vol 7 n°1
  2. S. Thomas, Alginate dressings in surgery and wound management ? part 1, Journal Of Wound Care, february, vol 9, NO 2, 2000.
  3. ICHIOKA, Shigeru, AN EXPERIMENTAL COMPARISON OF HYDROCOLLOID AND ALGINATE DRESSINGS, AND THE EFFECT OF CALCIUM IONS ON THE BEHAVIOUR OF ALGINATE GEL, Scand J Plast Reconstr Hand Surg 32: 311-316, 1998
  4. S, Thomas, Alginates ? A guide to the properties and uses of the different alginate dressings avaible today, Journal Of Wound Care, May/June, Vol 1, NO I, 1992.
  5. Alginates General Information, Catalogue FMC Corporation Pharmaceutical and Food Ingredients Division.
  6. GROVES, A. R., Alginate dressing as a donor site haemostat, Annals of the Royal College of Surgeons of England, vol 68, 1986.
  7. O Donoghue JM, O Sullivan ST, Beausang ES et al. Calcium alginate dressings promote healing of split skin graft donor sites; Acta Chir Plast 1997;39(2):53-55
  8. Bettinger D, Gore D, Humphries Y Evaluation of calcium alginate for skin graft donor sites; Burn Care Rehabil 1995 Jan;16(1):59-61
  9. Dawson C, Armstrong MW, Fulford SC, et al., Use of calcium alginate to pack abscess cavities: a controlled clinical trial; R Coll Surg Edinb 1992 Jun;37(3):177-179
  10. Doyle JW, Roth TP, Smith RM., et al; Effects of calcium alginate on cellular wound healing processes modeled in vitro. J Biomed Mater Res 1996 Dec;32(4):561-568
  11. Farmacopéia Britânica de 1993.
Hidrogel
1- O que é o Curatec Hidrogel?

Curatec Hidrogel é um gel estéril destinado ao tratamento de feridas que possui em sua formulação água deionizada, propilenoglicol e óleos de origem vegetal, capaz de promover hidratação da ferida, mantendo um ambiente úmido ideal para cicatrização e para o desbridamento autolítico.

2- Qual é a ação de Curatec Hidrogel no processo cicatricial?

Curatec Hidrogel é composto por óleos de origem vegetal que tem como principais componentes ativos os ácidos graxos essenciais, que atuam diretamente na aceleração do processo cicatricial através da entrada de fatores de crescimento, estímulo da angiogênese, auxílio da promoção da mitose e da proliferação celular. Além disso, hidrata as terminações nervosas, aliviando a dor.

3- Quais são seus benefícios?

Pode ser usado em qualquer fase do processo cicatricial. Auxilia no desbridamento autolítico, evita a aderência do curativo secundário na ferida, diminuindo, portanto, a perda de tecidos neoformados, agilizando o processo de cicatrização. Diminui a dor do paciente durante as trocas do curativo. Permite a absorção do exsudato pelo curativo secundário e o óleo é totalmente absorvido pelos tecidos facilitando a limpeza durante as trocas.

4- Quais são as limitações?

Não expor a lesão que está coberta somente com Curatec Hidrogel à luz solar.

5- Curatec Hidrogel é um curativo estéril?

Sim, Curatec Hidrogel é um curativo estéril pelo processo de irradiação (radiação gama). É um produto de uso único, não devendo ser reutilizado e devendo ser descartado após a troca de curativo.

6- Quais são as principais indicações de Curatec Hidrogel?

Curatec Hidrogel é indicado para promover o desbridamento autolítico e estimular a cicatrização em feridas secas; superficiais ou profundas; com ou sem infecção, necrose ou esfacelo. Além disto, o Hidrogel é ideal para a manutenção da viabilidade de ossos e tendões expostos em feridas profundas.

7- Quais são as contraindicações de Curatec Hidrogel?

O produto não deve ser utilizado em pacientes com conhecida sensibilidade ao gel ou a algum de seus componentes.

8- Referências Bibliográficas:

  1. MANDELBAUM, Samuel Henrique, DI SANTIS, Érico Pampado and MANDELBAUM, Maria Helena Sant Ana. Cicatrization: current concepts and auxiliary resources – Part II. An. Bras. Dermatol., Sept./Oct. 2003, vol.78, no.5, p.521-522. ISSN 0365-0596.
  2. IRION, Glenn L. – Feridas: Novas Abordagens, Manejo Clínico e Atlas em cores. Editora LAB, 2005.
Hidrogel com Alginato
1- O que é o Curatec Hidrogel com Alginato?

Curatec Hidrogel com Alginato é um gel constituído por água purificada, propilenoglicol, carbômero 940, trietanolamina, alginato de cálcio e sódio, conservantes e carboximetilcelulose, que promove o ambiente úmido ideal para a cicatrização através da hidratação da ferida, conduzindo ao desbridamento autolítico ou facilitando o desbridamento mecânico

2- Qual é a ação do Curatec Hidrogel com Alginato no processo cicatricial?

Curatec Hidrogel com Alginato é um curativo primário, absorvente, transparente e viscoso. Gel constituído principalmente por alginato de cálcio e sódio, carboximetilcelulose, propilenoglicol e água purificada, que promove o ambiente úmido ideal para cicatrização através da hidratação da ferida, conduzindo ao desbridamento autolítico ou facilitando o desbridamento mecânico.

3- Quais são suas indicações?

Indicado para o tratamento de feridas secas, pouco úmidas e de média exsudação, com presença de tecido inviável (necrose e esfacelo) e também para o estímulo da granulação e da epitelização através do meio úmido.

4- Por quê Curatec Hidrogel com Alginato não deve ser utilizado em feridas cirúrgicas?

Curatec Hidrogel com Alginato não é indicado para feridas cirúrgicas devido ao risco de maceração da ferida causada pela umidificação exacerbada do meio, podendo ocasionar uma deiscência.

5- A não esterilidade do produto compromete a segurança do paciente?

Não, Curatec Hidrogel com Alginato possui em sua formulação conservantes que garantem a segurança e eficácia do curativo após a primeira aplicação, o que permite que o produto seja utilizado várias vezes sem que haja contaminação microbiana.

SilverCoat
1- O que é o Curatec SilverCoat?

É um curativo estéril, recortável em qualquer direção, composto por fios de poliamida (nylon) impregnado com prata. É um curativo flexível, ?stretch? (esticável) e não aderente. Curatec SilverCoat combina a força da prata com os benefícios do nylon.

2- Curatec SilverCoat é similar a outros produtos contendo prata?

Curatec Hidrogel com Alginato é um curativo primário, absorvente, transparente e viscoso. Gel constituído principalmente por alginato de cálcio e sódio, carboximetilcelulose, propilenoglicol e água purificada, que promove o ambiente úmido ideal para cicatrização através da hidratação da ferida, conduzindo ao desbridamento autolítico ou facilitando o desbridamento mecânico.

3- Qual a ação de Curatec SilverCoat no processo cicatricial

Quando em contato com água estéril, a prata metálica é ativada liberando íons de prata. Estes, por sua vez, possuem inúmeros sítios de ligação com a parede celular bacteriana, rompendo sua membrana. Além disso, os íons de prata ligam-se a proteínas causando danos estruturais e funcionais nas bactérias. Além do efeito antimicrobiano, os íons de prata possuem efeito anti-inflamatório, pois induzem a apoptose das células inflamatórias e modulam a liberação de mediadores pró-inflamatórios, e efeito cicatrizante através da inibição das metaloproteinases.

4- Curatec SilverCoat é seguro para ser usado no tratamento de feridas?

Por conta de seu longo tempo de uso no tratamento e feridas, a prata, em suas diferentes formas, já tem sua segurança validada para esta aplicação. A dúvida que existe atualmente é quanto à segurança relacionada ao tamanho das partículas de prata que serão utilizadas no tratamento de feridas, tendo em vista o risco de absorção sistêmica. O governo americano lançou um programa para investigar a segurança no uso de nanomateriais na área de saúde humana (http://thomas.loc.gov/cgi-bin/query/z?c111:S.2942:). A prata nanocristalina faz parte do grupo de materiais a serem estudados em maior profundidade. Curatec SilverCoat não usa em sua composição nanomateriais, dessa forma há vasta literatura garantindo sua segurança para o uso em tratamento de feridas.

5- Quais são as contraindicações de Curatec SilverCoat?

Curatec SilverCoat é contraindicado a pessoas que tem sensibilidade prévia ao nylon e/ou à prata.

6- Qual o tempo de ação de Curatec SilverCoat?

Curatec SilverCoat começa a agir imediatamente após sua aplicação no leito da ferida. Estudos in vitro mostraram que Curatec SilverCoat mata quase que a totalidade de micro-organismos presentes na ferida logo nos primeiros 30 minutos. Ele mantém uma liberação de prata sustentada ao longo de 7 dias, período máximo que cada curativo de Curatec SilverCoat pode ser mantido em contato com a ferida.

7- Curatec SilverCoat é um curativo estéril?

Sim, Curatec SilverCoat é um curativo estéril pelo processo de irradiação (radiação gama), embalado em envelopes com abertura asséptica para garantir suas características pelo prazo de validade de 2 anos.

Espuma
1. Quais as indicações do Curatec Espuma de Poliuretano?

É indicada principalmente para o uso em feridas com exsudação moderada ou alta.

2. Qual é a sua composição?

Curatec Espuma de Poliuretano é composto por uma espuma de poliuretano alamente absorvente não aderente com uma camada externa de filme de poliuretano semipermeável. O filme permite as trocas gasosas mas impede a entrada de água e micro-organismos.

3. Por que utilizar o modelo traqueostomia?

Porque o modelo traqueostomia já possui uma abertura que facilita a aplicação, o uso previne a maceração da região periestomal e aumenta o conforto do paciente.

4. Para que serve o modelo traqueostomia infantil?

O modelo traqueostomia infantil além de ser utilizado em pacientes infantis com traqueostomia, também pode ser utilizada em outros dispositivos como perigastrotomia.

5. Curatec Espuma de Poliuretano adere na ferida?

Não, o curativo possui superfície não aderente que impede a adesão do produto na ferida. No entanto recomenda-se que não seja usado em feridas secas.

6.Curatec Espuma de Poliuretano é adesivo?

Curatec Espuma de Poliuretano não possui bordas adesivas. Por isso necessita de um curativo secundário para fixá-lo.

7. Curatec Espuma de Poliuretano é inferior a um curativo hidrocelular?

Curatec Espuma de Poliuretano é tao eficiente quanto os produtos hidrocelulares presentes no mercado, pois possui grande capacidade de absorção, não adere na ferida e possui filme semipermeável que auxilia no controle da umidade da ferida.

Filme Transparente (Estéril)
1. Qual é a indicação de uso de Curatec Filme Transparente?

Curatec Filme Transparente é indicado para fixação de cateteres centrais e periféricos.

2. O que é MVTR? Qual a sua importância?

O MVTR (Moist Vapour Transmission Rate) é a permeabilidade do curativo à passagem de moléculas de água da superfície de contato da pele para a atmosfera externa, sob condições controladas de umidade e temperatura. Quanto maior o MVTR, maior é passagem da vapores úmidos pelo filme e menor o acumulo de umidade sob o filme. Quanto menor o acumulo de umidade sob o filme menores são os riscos de proliferação microbiana sob o curativo

3. Qual é o MVTR do Curatec Filme Transparente?

O MVTR do Curatec Filme Transparente é cerca de 4 vezes maior que o MVTR da pele. Assim a passagem de umidade é mais que suficiente para evitar o seu acumulo sob o filme e reduzir o risco de infecção.

4. Como posso identificar a data de aplicação?

O Curatec Filme Transparente permite anotações com caneta sobre o filme. Sem que prejudique a utilização do produto.

5. Para que serve a moldura?

As molduras auxiliam na aplicação do produto, evitando que ele grude em si mesmo e o desperdício do produto.

6. Para que servem as abas não adesivas?

As abas não adesivas são utilizadas para facilitar a aplicação, sem que seja necessário tocar na parte adesiva, comprometendo a esterilidade do produto.

7. Curatec Filme Transparente possui reforço em não tecido?

Os modelos com fenestras possuem não tecido para reforçar as abas e auxiliar na fixação do cateter

8. Curatec Filme Transparente pode ser utilizado como curativo primário?

Sim, os modelos sem fenestras podem ser utilizados como curativo primário e/ou secundário. Por exemplo em áreas doadoras de enxerto e úlceras por pressão grau 1

9. Como posso identificar a data de aplicação?

O Curatec Filme Transparente permite anotações com caneta sobre o filme. Sem que prejudique a utilização do produto

Filme Transparente Rolo
1. O que é Curatec Filme Transparente Rolo?

É um filme protetor em rolo, não estéril, embalado individualmente, composto por um filme de poliuretano semipermeável e adesivo hipoalergênico. O filme de poliuretano age como uma barreira a líquidos e micro-organismos, mas permite a respirabilidade da pela através da passagem de gases.

2. Qual é a indicação de uso do Curatec Filme Transparente Rolo?

É indicado para fixação e cobertura de curativos primários; cobertura de suturas; fixação de tubos, drenos e bolsas de perna; proteção de proeminências ósseas; proteção de pele íntegra e de tatuagens (usar depois da fase exsudativa).

3. Como posso identificar a data de aplicação?

O Curatec Filme Transparente Rolo permite anotações com caneta sobre o filme. Sem que prejudique a utilização do produto

4. Por que utilizar o Curatec Filme Transparente Rolo ao invés de outro curativo secundário?

Porque Curatec Filme Transparente Rolo é impermeável a água o que permite que o paciente tome banho ou realize hidroterapia sem que o ferimento fique molhado. Além disse Curatec Filme Transparente Rolo possibilita que o curativo primário seja observado sem a remoção do curativo. Mesmo assim o produto ainda permite a respirabilidade da pele evitando a maceração da pele.

5. Como utilizar para proteção de pele íntegra?

Curate Filme Transparente Rolo pode ser utilizado para proteção de pele íntegra em proeminências ósseas como região trocanteriana e sacra, para tal utilização a versatilidade do produto, permite que seja recortado no formato que melhor se adeque as necessidades do paciente.

Carvão Ativado com Prata
1. Qual a diferença entre o carvão ativado com prata recortável e o sachê?

O curativo de carvão ativado com prata recortável é composto de tecido de carvão ativado impregnado com prata prensado entre duas camadas de rayon/ poliamida. Isso permite que o curativo seja recortado no tamanho desejado sem que ocorra liberação de partículas de carvão no leito da ferida. O curativo de carvão ativado com prata sache possui a camada de tecido de carvão impregnada com prata inserida em um envoltório de não tecido com borda selada em toda a sua extensão formando um sache.

2. Qual a indicação do curativo de carvão ativado com prata?

O Curativo de Carvão Ativado com Prata (spode ser usado como curativo primário ou secundário, em feridas exsudativas, limpas ou infectadas, crônicas ou agudas, superficiais ou profundas, para controle do odor e absorção do exsudato. Dessa forma, é indicado para carcinomas fúngicos, feridas ulcerativas, traumáticas e deiscências cirúrgicas, onde a contaminação bacteriana, infecção ou odor possam ocorrer.

3. Qual o mecanismo de ação do curativo de carvão ativado com prata?

As bactérias anaeróbias produzem mau cheiro principalmente devido à liberação de ácidos graxos voláteis. A camada de carvão ativado adsorve as bactérias, removendo-as eficazmente do leito da lesão, resultando em um efetivo controle da infecção e do odor em feridas com mau cheiro. A prata é um agente antimicrobiano de amplo espectro, portanto, o curativo de carvão ativado com prata possui, potencialmente, um amplo espectro de ação, produzindo mudanças nas estruturas das células e afetando o DNA das bactérias.

4. O curativo de carvão ativado com prata libera íons prata no leito da ferida?

O Curativo de Carvão Ativado com Prata é impregnado por grânulos de prata coloidal na concentração de 25g de Ag/cm2. A prata presente no curativo não é liberada para ferida e, atua somente sobre os microorganismos adsorvidos (capturados) pelo carvão.

5. Quais são as contraindicações de uso do curativo de carvão ativado com prata?

O uso do curativo é contraindicado em feridas que produzam ruptura da derme e que somente possam cicatrizar por segunda intenção. O curativo de carvão ativado com prata não deve ser utilizado em casos de exposição óssea ou de tendões.

Silver IV
1. O que é o Curatec Silver IV?

É um curativo estéril, composto por alginato de cálcio, carboximetilcelulose (CM) e um complexo de prata iônica.

2. Qual o mecanismo de ação do Curatec Silver IV?

As fibras de alginato e CMC quando em contato com o exsudato formam um gel hidrofílico e não aderente que proporciona um meio úmido sobre a superfície da ferida, promovendo o desbridamento autolítico e absorvendo o exsudato, permitindo a remoção sem trauma, com pequeno ou nenhum dano para o tecido recém formado criando, desse modo, um meio adequado para o processo de cicatrização. Os íons de prata têm ação microbicida, por um período acima de 7 dias, contra um amplo espectro de microrganismos Ao reduzir a quantidade de microrganismos na ferida contribui também para a redução do odor.

3. Qual a indicação do Curatec Silver IV?

Os curativos de alginato de cálcio com prata são indicados para feridas de moderada a altamente exsudativas, com sangramento, agudas ou crônicas, superficiais ou profundas. Indicados também para feridas infectadas ou como barreira física para prevenção da penetração de micro-organismos.

4. Por que o Curatec Silver IV não pode ser utilizado em associação com antibióticos tópicos?

Porque alguns componentes da formulação podem inibir o processo de geleificação do alginato de cálcio.

5. Qual o período de troca do Curatec Silver IV?

O curativo poderá permanecer na ferida por, no máximo, sete dias, porém a frequência de troca irá depender da condição da ferida e do nível de exsudação. Inicialmente é provável que a troca deva ser realizada a cada 24 horas. Para feridas limpas exsudativas, efetuar a troca quando o curativo secundário estiver saturado ou de acordo com a orientação do profissional da saúde.